Notícias

Desmatamento na Amazônia cai 29% em janeiro de 2024

Considerado a nova fronteira do desmatamento no bioma, Roraima foi o estado que mais desmatou no período, mostra ferramenta do INPE

Cristiane Prizibisczki·
9 de fevereiro de 2024

Dados atualizados nesta sexta-feira (9) pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) indicam que, em janeiro deste ano, foram registrados alertas de desmatamento para 118,86 km² da Amazônia. A área perdida no bioma é um pouco maior do que Vitória, no Espírito Santo, a menor capital do país.

O número representa uma queda de 29% em relação ao mesmo período do ano anterior, quando 166,6 km² foram desmatados. A cifra medida pelo INPE é a terceira menor da série histórica, iniciada em 2016, para o mês.

Entre os estados, Roraima e Pará registraram as maiores áreas em alerta: 32,4 km² e 32,3 km, respectivamente. Mato Grosso (30 km²) e Amazonas (16 km²) aparecem em terceiro e quarto lugar do ranking de estados com maiores áreas sob alerta.

Segundo outra ferramenta do INPE, a Sala de Situação, 21,4% do desmatamento registrado em Roraima aconteceu dentro de áreas protegidas ou onde ainda não há informação: 15,3% dentro de Florestas Públicas Não Destinadas, 2% em Terras Indígenas, 0,6% em Unidades de Conservação e 3,5% em áreas sem dados fundiários.

Junto com o Amazonas, Roraima é considerado a “nova fronteira do desmatamento na Amazônia”.  Apesar de possuir grande parte de suas florestas ainda intacta, o estado sofre com a pressão da exploração de madeira, grilagem de terras, criação de gado e produção de soja.

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Notícias
9 de fevereiro de 2024

Alertas de desmatamento no Cerrado têm redução de 33% em janeiro

No período, bioma perdeu área um pouco menor do que a cidade de Fortaleza. Este é o 3º menor valor da série histórica do INPE

Análises
2 de fevereiro de 2024

Retorno da fiscalização ajuda a entender redução do desmatamento na Amazônia

Trabalho dos fiscais ambientais do IBAMA em priorizar áreas críticas ajuda a entender como o desmatamento caiu de 2022 para 2023; Mudança de governo foi fundamental para alcançar resultado

Salada Verde
26 de janeiro de 2024

Militares foram mais caros e menos eficientes contra desmate na Amazônia

Taxas de desmatamento são influenciadas por investimentos e políticas públicas, ressalta um artigo de instituição brasileira

Mais de Gem Saviour

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.