Salada Verde

Semeando o futuro da ararinha-azul

Cultivo de vegetação nativa ajudará a espécie ameaçada de extinção e outros animais da Caatinga, bem como a população sertaneja

Aldem Bourscheit·
21 de março de 2023
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Em Curaçá, no sertão baiano, avança o plantio de espécies nativas para recuperar áreas degradadas em unidades de conservação onde são reintroduzidos grupos da ararinha-azul (Cyanopsitta spixii). A espécie havia sido extinta da natureza em 2000, por desmate, caça e tráfico.

Já ganharam terreno 125 quilos de sementes e são cultivadas cerca de 40 mil mudas no interior e no entorno de duas reservas criadas para proteger a ave. O esforço é coordenado pelo Núcleo de Ecologia e Monitoramento Ambiental (Nema) da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF). 

Caraibeiras(Tabebuia aurea), xique-xique (Xiquexique gounellei) e faveleira (Cnidoscolus quercifolius) são algumas das 24 espécies cultivadas. O reforço na vegetação tornará o ambiente mais favorável às aves e outros animais, bem como às comunidades da região.

“Levamos em consideração as espécies utilizadas pelas ararinhas-azuis como fonte de alimentação, dormitório e nidificação, e também pela população sertaneja”, explica o diretor de Pesquisa e Planejamento do Nema, Fábio Socolowski. 

O crescimento das mudas e a cobertura do solo serão monitorados. Após um ano, mudas mortas serão replantadas. O objetivo é recuperar ao menos 200 hectares de vegetação nativa, inclusive nas margens de rios e nascentes.

Das 20 ararinhas-azuis soltas na região desde junho passado, 4 foram predadas, 2 desapareceram e uma voltou ao cativeiro, pois necessitará de mais tempo para se adaptar ao ambiente natural. As informações são do ICMBio.

A ararinha-azul foi extinta da natureza em 2000. Foto: Daderot/CCO
  • Aldem Bourscheit

    Jornalista cobrindo histórias sobre Conservação da Natureza, Crimes contra a Vida Selvagem, Ciência, Comunidades Indígenas e ...

Leia também

Salada Verde
30 de agosto de 2022

Em busca da ararinha azul perdida

Uma das oito ararinhas reintroduzidas na natureza debandou do grupo, em Curaçá, na Bahia, na última quinta-feira (25). ICMBio perdeu contato com a ave e pede ajuda para encontrá-la

Reportagens
8 de agosto de 2022

Empresa que disse cancelar usina próxima à área da ararinha-azul mantém estudos para licenciamentos

O levantamento para um parque eólico e a autorização para uma usina fotovoltaica ainda constam em sistema de órgão ambiental baiano

Notícias
13 de junho de 2022

De volta à natureza: ararinhas-azuis são reintroduzidas no sertão baiano 20 anos após serem extintas do local

Cinco fêmeas e três machos nascidos em cativeiro foram soltos no sábado (11) em Curaçá, na Bahia. Soltura marca nova fase do programa de reintrodução das ararinhas-azuis

Mais de Gem Saviour

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Comentários1

  1. Immodiz:

    Elas, as soltas, ja acasalaram, nidificaram e produziram filhotes???